Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Agora sou esposa, mãe, completa! Mas continuo minha... Sempre!

15
Fev09

Despojos da minha guerra...

por Pobre(o)Tanas

 

 

Acabei de "namorar" com a D.ª Orlanda e o que me disse depois de lhe ter contado do dia de ontem foi:

 

 

- Quem ficou com os teus restos foi ela...

 

 

 

 

ORA NEM MAIS!

 

 

 

Amori, onde tu dormes já eu dormi. Os lençois se forem os mesmos, fui eu quem os comprou... Já deves ter calçado as minhas pantufas e usado o meu relogio... A minha escova de dentes ainda lá ficou bastante tempo. Mais, a vidinha dele, usufrui eu durante muitos anos. E só espero que não apanhes nas trombas como eu apanhei quando ele se virava do avesso.

 

Ah... e as coisas que ele te faz?... Fui eu que lhas ensinei...

 

Só mais uma coisa... Compra uma balança...:)

 

 

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

E agora vou enfiar-me na minha banheira, tomar um banho daqueles bem longos, vestir-me e pintar-me. Vou tomar um bom café e fumar o meu cigarro. Vou deixar de roer as unhas. Mostram, de mim um certo, nervosismo e dão mau aspecto.

 

Não me vou lamentar do que quer que seja da minha pessoa. Sou bem melhor que o resto.

 

 

 

 

 

 

E sou feliz! Se quiser, sou-o... E mais uma vez digo, tenho força. Para mover este mundo e outros tantos.

 

 

 

 

Como eu disse uma vez...

 

 

Pensem o que quiserem de mim. Pensem e não pensem. Porque enquanto pensam já estou a anos-luz de distância disso. E isto são apenas historias que contei sem contar...

 

 

 

 

 

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

 

 

Um dia arranjo um cão... Tenho vontade disso...

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

15
Fev09

SOU MINHA!

por Pobre(o)Tanas

 

 

Como diz o Cédric: Happy Assholes Day...

 

 

Posso dizer que foi o dia dos namorados mais coise que tive na vida. Além de ser o primeiro em 9 anos que passo sozinha, várias coisas estranhas aconteceram...

 

Mas vamos por partes...

 

De manha fui cedo ao Vasco ter com o Cédric e a Pris porque ela fez anos e precisámos de lá ir entregar-lhe a prenda. Prenda oferecida, beijocas e abraços e muitas exclamações... A Pris ficou a trabalhar e tanto o Cedric como eu fomos cada um à nossa vidinha para seu lado. Ele foi lá fazer o que tinha a fazer e eu também.

 

Depois de ter feito a minha vidinha, coisa que não me apetece falar porque não há muito a dizer, voltei ao Vasco porque precisava de tomar um café com a Pris para falar...

 

Entrei na superficie comercial e senhoras e senhores, quem encontro mesmo à minha frente? TCHARANNNNNNNNNNN!!! Aquele que supostamente seria o homem da minha vida (dos tempos idos) com a namorada que tem há tanto tempo quanto aquele que já acabámos. Pois bem, amanhã, dia 15 de Fevereiro farão dois anos que eu e o Mr. Perfect Não Me Toques, acabámos...

 

Foi um dia chuvoso e depois de mais uma ressaca de Sua Ex.ª levei uma bela duma sova dele enquanto tomava banho. Apanhou-me desprevenida na banheira, atirou-me contra a parede e bateu-me ali mesmo. Saí porta fora só com a roupa do corpo e sem dinheiro nem para o autocarro para ir para minha casa. Foi preciso uma amiga da altura, telefonar a outra que nem conhecia para me ligar a mim para me vir buscar porque não tinha como ir para casa. Estava ensopada, dorida dos tabefes e desnorteada. E nunca mais o vi, a não ser de relance, e hoje.. Com a matrafona ao lado... Da primeira vez a gaja viu-me mas virou o gajo para uma loja para ele não bater com os olhos em mim. E eu pensei: "Caray, não me chame eu Pobre(o)Tanas que te f*** já o esquema..."... E assim foi... Meia hora mais tarde apanhei-os mesmo de frente num corredor...

 

Menina!!! Peito feito. Ia linda hoje. Perfeitamente perfeita. De salto alto e com andar confiante. E nem olhei para o casalinho mas sei que ele me viu bem... Se me viu! Virei à esquerda. Enfiei-me na wc e lavei o trombil para acordar para a realidade e deixar-me de merdas... Lavar-me do passado. 

 

 

(O Vasco da Gama estava nojentamente cheio de casais. Pessoas não é inveja, nada disso, mas parece que so saem no dia dos namorados. Mete nojo!)

 

 

 

 

O que me faz deixar de ter sentimentos? Situações destas. Pessoas que se cruzaram comigo... É fodido e peço desculpa pelas asneiras mas estou no meu blog e falo como quero.. Mas é fodido... Mas penso no que ele fez, no que me fizeram. E deixei de ter sentimentos. Tanto se me dá... Fizeram-me assim. Pareço uma máquina apenas. Um monstro num corpo humano. Posso dizer que o amei muito, talvez ainda o ame, mas tipo... Já vi tanto e já passei por tanto. Já conheci tanta gente e neste momento já nem sei o que isso é. Lá está, fizeram-me ou fiz-me assim. Nem sei se alguma vez voltarei a sentir amor de verdade. Ou pelo menos acho que sim, mas se me deixarem já pouco ou nada doi.

 

É horrivel beijar de forma mecanica, ir para a cama com alguem de forma mecanica, pensar de forma mecanica, pensar, tocar e sentir de forma mecanica. É assim porque olha é assim. Quero lá saber. Amanhã é novo dia... Pareço uma bitch a falar. Mas por vezes nem ando neste mundo. Não vejo ninguém que fale de forma inteligente. Não me ouvem de forma inteligente. Odeio que me olhem para o corpo e para a cara. Que se babem. Pensem que sou um mero objecto de desejo. Odeio! E depois quando estou com alguém que apesar de haver uma relação eu nem sequer confio, a forma como falo, ajo...É horrivel. Estupidamente inteligente e com artimanhas... Não sou de jogos duplos, não engano ninguém, mas sou de sentimentos diversos. Tanto dou numa de forte como me faço de princesa em perigo... E foi nisto que me transformei. Há largos meses que não tenho um orgasmo mental!

 

Dou conta que estamos a caminhar para o abismo...E eu vou atrás se não me sentar na minha pedra rápidamente, fumar o meu cigarro e ver o cortejo a passar...

 

 

Precisei de uma lavagem ao cérebro depois do dia de hoje... O Master convidou-me a mim e à Bug para irmos beber café. A Bug não lhe apeteceu ir e fomos os dois. E desabafei e desabafei... Respeito imenso quem me respeita enquanto ser humano. E adoro quando as minhas amizades se pautuam por isso mesmo... Respeito!

 

Hoje estou cheia de raivas interiores, de odios, de asco. Não tenho nojo de mim. Tomo banho todos os dias. Mas tenho nojo desta sociedade de merda. Desta gentalha. Parece um filme a decorrer muito depressa. Pessoas, consumismo, intrujice, podridão, falsidade, mentira, oportunismo, sexo, odio, merda! MUITA MERDA!

 

 

Como é possivel uma so pessoa entranhar-se dentro de nós e consumir-nos o âmago... A meninice, a alegria, a vontade. Como é possivel um conjunto reduzido de pessoas, que foram minhas, do meu sangue, sugarem-me o que de bom tinha e deixarem-me como um pedaço de papel amarrotado mandado ao mar... A verem-me desfazer em bocados, a tinta a escorrer, a borrar o que de mim sobra. E eu que escritos lindos possuia...

 

 

Tenho força para continuar. MUITA. IMENSA. Mas... Enquanto puder controlar, mais ninguém me tocará por fora, por dentro, não deixerei que me olhem, me consumam, me estrupem a alma. Porque nao sou de ninguém. SOU MINHA!

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

14
Jan09

Escovas de dentes!

por Pobre(o)Tanas

 

 

 

 

 

 

 

 

Opah, que lindo!

 

 

*suspiro*
Assim pequenino...

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

12
Jan09

Conversas nocturnas...

por Pobre(o)Tanas

 

 

 

- Não quero saber. Coisas do passado...!

 

- Passado, presente e futuro, basta quereres.

 

- Mas não é futuro com casa, filhos, sogra e cão! Por isso não quero, obrigada!

 

 

 

(imagem retirada da net)

 

 

Eu até gosto de caminhar sozinha, vendo bem as coisas... Normalmente ou são mais rápidos ou mais lentos... E para coxa, já basto eu!

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

07
Jan09

A senhora dos cães...

por Pobre(o)Tanas

 

 

Aqui na rua da Faixa de Gaza, há uma velhota que ninguém gosta dela... Todos os dias, às 10 para as 9h da manhã, eu vejo-a a passear os cãezinhos, a Becky e o Spike. Passeia-os faça chuva, faça sol, esteja calor ou frio. Sempre. À mesma hora. Sei que tem uma filha doente e passaram um Natal e Ano Novo tristes em casa, somente as duas. Mais ninguém. Como sei eu isto tudo? Porque eu ADORO falar com ela! Se todos aqui na rua começassem por dar festas nos "rapazes", podem crer que a conquistavam... Foi assim que eu fiz...

 

 

 

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

18
Nov08

 Mail enviado hoje de manhã, após conversa de ontem...:

 

 

 

 

Bom dia, A. Sei que depois da conversa de ontem, não ha muito mais a acrescentar ao que foi dito. No entanto, e uma vez que frente a frente por vezes é dificil dizer as coisas, faço-o por esta via que exponho muito melhor aquilo que quero dizer.

 

Como disse, não te vou pedir nada, não vou exigir nada. Também fiquei confusa porque se antes eu exigia e uma vez que não podias dar, tu "fugiste" por não saberes o que queres, agora que tomei a posição de te deixar estar da maneira como sentes e és, sem querer nada em troca, tu mais uma vez não sabes que voltas dar.

 

A pergunta que coloco é "Afinal, como me devo comportar?".

 

Fazer-te perguntas até tudo estar resolvido na tua cabeça e na minha, estar constantemente a exigir que estejas comigo ou pelo menos para teres a certeza do que queres?

 

Ou deixar-te livre para seres tu a querer as coisas, aproveitar os bons momentos, rir, sair e não andar cá com merdas de "epah ele não gosta tanto de mim como eu gosto dele"? Elucida-me porque sinceramente não sei que postura adoptar. Apesar de gostar mais desta segunda, porque me sinto bem melhor com ela e menos pressionada comigo mesma.

 

Expliquei-te ontem que não te amo tal como tu não me amas. Gosto muito de ti, porque és uma pessoa cinco estrelas, és tudo aquilo que talvez eu precisasse na minha vida para ela estar 100% completa. Contudo amar uma pessoa é preciso MUITO tempo, é preciso cuidar das coisas vividas em conjunto, ter aquele companheirismo, saber o que o outro pensa, dizer as coisas numa conversa a dois sem medos, gostar de estar com aquela pessoa mesmo com os defeitos todos, dar peidinhos e rir com isso, ou seja, dividir as batatas fritas.

 

O que poderá haver entre nós é paixão, a face sexual de cada um ao rubro, gostarmos da companhia um do outro, mas uma vez que não há um passado em conjunto (coisa que se cria ao longo do tempo seja numa relação amorosa, seja numa amizade) e temos vidas tão distintas, isso traga medos.

 

Se me perguntares se quero apenas "isto", digo-te já que não, mas se me perguntares porque não salto fora, digo-te também que se tive uma relação de 7 anos também ela começou assim, tirando o facto de ele no inicio passar para outro passeio so para não me falar. Mas criaram-se laços e construiu-se uma coisa em conjunto. Fomos bons companheiros de lutas. E não se andou aí a medir sentimentos. Quando ele achou que me amava disse-o e provou-o nos anos seguintes. Agora medir sentimentos não se mediu. E atenção que não estou a comparar-te a nada. Só estou a expor uma situação. E acredita que eu era bem pior, porque era uma miuda mimada e ele mais velho e coerente que eu.

 

Se quiseres estar sossegado, ver onde poderá dar, sem stresses, sem preocupações, A., epah é na boa porque vou manter o mesmo comportamento que tenho mantido desde que nos vimos desta ultima vez. Se não temos ninguém, se somos grandinhos, se não há coisa que impeça na tua cabeça, é andar para a frente e quando não der, sentamo-nos e conversamos.

 

O amor não se dá assim em meses. Não, meu amor de homem, o amor cresce com o tempo, é moldado com as coisas vividas, com as barreiras ultrapassadas, com amizade. A paixão é efemera, poderá haver uns tempos depois, porque há pessoas que ainda a têm pelos que amam, mas apenas em pequenos rasgos de ilucidez. Amor é cuidar. Podes amar um amigo. Tu já me amas como amiga, porque a forma como me tratas di-lo. E o amor não precisa de ser brusco, amor que leve à morte. Não! Amor pode ser uma coisa pacífica. Ver o por-do-sol, rir com uma gaffe, passear de mãos dadas e dizer "lembras-te quando estivemos aqui?". A paixão é aquilo que se dá quando me vês nua ou com umas calças que me favoreçam o rabo. Mas o meu rabo vai descaír e um dia não serei tão perfeita aos teus olhos, nua, mas quando eu estiver com as maminhas descaídas, com o rabo flácido e se tu ainda aí estiveres para ver, e se gostares de mim da mesma maneira como agora, a isso se chama amor.

 

Se achares que não, que a tua consciencia não to permite, e agradeço o facto de seres sempre sincero, somos amigos e não passa disso. E quando digo "não passa disso", não passa mesmo, porque lá está, à 1.ª foi desconhecimento, à 2.ª foi porque eu quis, mas 3.ª comigo não há... E uma vez amigos não há mais retorno porque também eu quero a minha vida estabilizada e não me sentir "um passa-tempo". Porque se andarmos sempre "a ver se é desta vez" e depois parar, recomeçar, parar e nunca passa daí, vou acabar por me sentir mesmo um joguete.

 

Não vou dar por tempo perdido, e esta capacidade de perdoar as pessoas, de as escutar e aceitar os seus sentimentos sejam eles quais forem, tem sido uma coisa que tenho aprendido a gerir dentro de mim. E digo-te, sinto-me tão leve quando perdoo, quando deixo a pessoa expor o que sente mesmo que não vá de encontro àquilo que sinto, que só isso me faz sentir melhor ainda.

 

Como te disse tambem, ja quase que não tenho medo. E tenho força suficiente para começar sempre do zero...

 

Mais uma vez te dou aqui a oportunidade de escolheres, se sim sem medos, sem medir sentimentos, sem nos preocupar-mos com isso, se não, porque não podes, não deves... Mas digo também que pareço mais forte do que aparento e também sou mais fraca do que aquilo que gostaria de ser...

 

 

 

Beijinhos

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

27
Out08

Convites que se fazem...

por Pobre(o)Tanas

 

 

- Sou-te sincera. Cafés não! Estou farta de cafés! Bate coros de gente que pensa que sou vaca em análise para talho. Estou na minha. Sou lixada. E quem me quiser tem de me aceitar como sou. Quem não quiser nem sequer tente. Cafés chega! Eu nem gosto de café!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

- Podemos ir ao Zoo?

 

 

 

 

 

 

 

 

 A isto se chama persistência...

 

 

 

 

 

 

Porque a mim???????? 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

30
Set08

Isto digo eu que sou higiénicamente deprimente nestas questões de relacionamentos:

 

 

No meio de gritinhos histéricos e pedidos aos deuses para mergulharem o "pincel" na "lata" com mais força, o pessoal descontrola-se e inventa com cada jura de amor que nem sequer existe.

 

Epah não inventem. Se não querem mais do que aquilo digam logo mas pelo menos já se sabe o que a casa gasta e depois cada um decide o que quer.

 

Mais uma vez digo que andamos desprovidos de sentimentos. Não há nada que me agrade menos nesta vida que isso mesmo.

 

Hoje em dia dar um beijo é algo vulgar. Damos beijos nos amigos, amigas e até beijamos os nossos animais de estimação na boca... Ok o sentimento não tem nada a ver obviamente mas queria mostrar o quão básico se está a tornar. Lembro-me de beijar posters dos meus artistas preferidos quando tinha 9 anos mas pah... (O Chris Brown ainda não andava nestas andanças de musica).

 

Não o diga que também não o faço, talvez até tenha sentimento quando o faço mas as pessoas não querem nada sério então enfio na minha cabeça que não teve qualquer importancia o que acaba por me parecer mais cedo ou mais tarde quando penso no assunto.

 

Porque? Porque é vergonhoso, na época que corre, gostarmos de beijar com sentimento. Fazer "o" amor com sentimento. Hoje em dia é curtir com tudo o que mexe, com o gajo, com o vizinho, o primo, o tio e até a avó, e "secso" é o que não deve faltar. MAS!!! Sem sentimento porque isso é feio... Há que ter amizades "coloridas".

 

SEXO! QUEREMOS É SEXO!!! GAIJAS BOUAS!!! E GAIJOS BEM APETRECHADOS!

 

Não meus amores, todas as gajas e gajos são iguais. TODOS se cagam e muitas vezes rompem o papel higiénico e limpam o cu aos dedos, cheirando de seguida.

 

Toda agente dá puns, e onde pensamos que aquele cafézinho que pagámos vai parar? A uma extensa bufa mais tarde na privacidade do seu lar.

 

Aquela loura boazona de tetas em feitio de meloa? Sim ela tira macacos do nariz com as unhas de gel que tanto dinheiro lhe custaram na nails 4' us, se não conseguir tirar com o papel...

 

Aquele Mr. Musculo ou o Xunguita da tua zona? OH! Esse é ele e o PitBull os dois em sintonia... Um traque cada um!

 

NÃO ME FODAM! Não há cá coisas perfeitas...

 

 

Eu não sou perfeita, Tu não és perfeita/o e muito menos pretendo essas perfeições...

 

 

E quem fugir porque uma pessoa que sofra dos joelhos, como eu, não consiga ser uma atleta na cama por não conseguir fazer aquela posição de salto encarpado, com 3 piruetas com os dedos dos pés esticados e 1 par de cuecas na cabeça, então bem pode ir comer aquilo que os caezinhos das louras fazem aí na rua, porque estou-me pouco lixando!

 

Mas pior que isso é usar as pessoas e gozar com os sentimentos de alguém. E cada vez vejo mais isso a acontecer. A mim e aos poucos amigos e conhecidos que me restam.

 

 

 

Aos que me respondem (de forma directa ou indirecta porque me contaram):

 

- "O nosso amor nunca vai acabar.... Porque também não existe...". - Filipa

 

- "A menina está disponível e é higiénica?"... - Familiar de uma conhecida minha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

12
Mai08

A minha Rosa... Negra...

por Pobre(o)Tanas

 


 


 


 Quando era mais menina, sentada no chão, brincava com as minhas bonecas e bonecos, e imaginava casamentos e relações de cortar a respiração entre eles. Lembro-me que havia sempre uma vilã e um vilão prontos a acabar com a felicidade dos recém casados mas que acabavam por desisitir. Se eu estivesse bem disposta os vilões tornavam-se bonzinhos e até se casavam entre si, se estivesse chateada, tinham uma morte um tanto ou quanto violenta que acabava sempre no tanque de lavar roupa da minha avó, habitado por criaturas nada simpáticas - normalmente uma tartaruga ou um peixe do nosso lago que eu punha dentro do tanque de água limpida.


 


 Nem sei onde pararam as minhas bonecas, os peixes já morreram e o tanque continua a servir para lavar roupa que não a minha.


 


 Cresci. As bonecas foram trocadas por livros, CD's e telemóveis. As relações, comecei eu a fazer parte delas, como um escritor que vive a história do seu livro.


 


 Hoje, ao fim de uns poucos de anos, olho para mim e para a minha ingenuidade, tão própria de menina que não sabe o que a vida reserva e pensa que tudo não passa de um mar de rosas. Mas as rosas têm espinhos e neste tempo em que nado nele, fui cravada por eles, vezes sem conta.


 


 Quando estou cansada, sento-me na margem e retiro os espinhos do meu corpo, lambo as feridas, qual animal sobrevivente, e entro devagarinho no mar, a medo, para não ser picada mal eu recomece a minha saga.


 


 Tive espinhos retirados com facilidade, tive outros em que gritei para os arrancar e outros que se entranharam dentro da minha pele de forma tão profunda que ninguém os conseguirá remover.


 


 Vivo na esperança de voltar a encontrar a minha felicidade de menina. Aquela certeza de querer viver numa casa com o meu marido e rodeada de filhos. Casa cheia como costumo dizer. Os amigos, os cães e os gatos, o periquito e a sogra. Todos benvindos.


 


 No entanto algo me diz que nunca será assim...


 


 Ontem, num ataque de choro, disse à minha mãe que me sentia uma pessoa suja. Disse-lhe que achava que não era merecedora de ninguém. Achava que eu não tinha o direito de ser feliz por erros cometidos no passado, que a meu ver foram enormes e na visão dos outros foram coisas que até passariam despercebidas. No entanto o que conta é a minha consciência e essa não descansa. Já lá vai o tempo em que me deitava na almofada sem pesos.


 


 Às vezes não me sinto bem, sinto que não sou digna das oportunidades que a vida me dá e que as deixo escapar com medo de sofrer outra vez. Não vivo com o coração, vivo com a minha cabeça.


 


 Esta comanda tudo. O meu coração quer dizer coisas que mostrem aquilo que sinto, mas a minha cabeça não o deixa. Constantemente é mandado calar. Depois faço coisas que não deveria fazer, tomo posições e atitudes de pessoa pobre de espirito. Querer e não poder, porque a consciência diz que não mereço. Que sou uma merda, que deveria estar pior porque é esse o meu castigo.


 


 E assim me deixo ir, apesar de tocar a vida e saboreá-la, no entanto não da forma intensa que deveria ser. Da forma que deveria uma rapariga da minha idade sentir e viver. Porque a sociedade condena os que se apaixonam, porque o amor e as relações, neste mundo em que vivo e no qual não pertenço, não tem carinho por ninguém.


 


 As relações, na minha idade, baseiam-se em sexo desenfreado, em promessas que não o são e em palavras que nem o vento as leva. Porque ficam cá registadas de forma negativa...


 


 Oh Deus! Que venha alguém mudar esta minha culpa, que me mostre que a vida tem sentido e me erga nos seus braços de forma triunfante. Porque me conquistou. Porque é uma vitória fazê-lo. E depois, me trate como se fosse a rosa que do mar saiu...


 


 


 


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

14
Abr08

Mudança...

por Pobre(o)Tanas

 


 


  Este fim de semana não postei. Achei necessário que o Huguinho ficasse post para que fosse mais divulgado. Não queria sobrepor posts que até nem tivessem grande importância por cima desta causa. Por agora vou continuar a divulgar o meu blog para que o post do Hugo seja visto e revisto...


 


 


  Algumas coisas aconteceram... Decidi dar um tempo na minha relação, uma vez que o meu excelentíssimo namorado (?) não dizia nada desde quinta feira... Disse ontem (domingo)... Ameaçando-me que se eu continuasse assim que depois veria o que ia acontecer.  Ao que eu respondi que já o tinha avisado que deveria rever bem a vida que levava e que ele não tinha levado a sério os meus apelos, assim sendo o melhor mesmo seria pararmos para pensar no que deveria ser feito... Que se ele me tinha testado nos últimos dias não me dizendo nada, que o teste estava feito...


 


  Agora há que cancelar as férias que íamos fazer em família, com a minha mãe e os pais dele e enfim... Grande cocó...


 


  Próximo passo em relações... Nunca meter família... Nunca mais...


 


  Acabaram-se as Cartas como aquelas que publiquei a semana passada... Desisto... A vida das pessoas muda mesmo (ou neste caso só a minha mudou, as outras nem por isso) e aquelas que não querem sair da escuridão, não sou eu que lhes vou comprar lâmpadas para as iluminar... Aliás a electricidade anda cara...


 


  Aplicar-me-ei no trabalho e próximo mês, sem dúvida, na carta... Por falar nisso tenho de ligar para lá a dizer que este mês foi complicado de despesas e por isso não entrei...


 


  Ontem fui à praia, molhei as barbatanas nas poças e lá andei a absorver sol o mais que pude... Não fosse chover hoje...



 


  E pronto... Básicamente é isto... Apesar de parecer pouca coisa, pelo menos achei importante para mim...


 


 


 


 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D