Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Agora sou esposa, mãe, completa! Mas continuo minha... Sempre!

06
Jun13

4 anos juntos :)

por Pobre(o)Tanas

 

A ti meu homem, companheiro de vida para a vida :)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

19
Nov12

Estamos a 2 dias da data prevista para o parto e andamos encantados com a ideia de sermos pais.

 

Ele mais nervoso que eu mas mesmo assim vejo nos olhos do meu homem que se sente feliz com a chegada do dia em que conhecerá a filha e assim a vida dele ficar mais preenchida.

 

A minha cabeça anda a mil, apesar de já ter estado mais ansiosa, mas ando super feliz.

 

Tenho 25 anos, estou prestes a ser mãe e com a minha/nossa vida equilibrada sem dificuldade. Um homem que me ama tal como o amo, os meus bichos e uma vida inteira de coisas boas para viver com a minha família. Família contruída por nós.

 

Se até dia 24 a Eva não nascer, será induzido o parto a 28. Sei que se não nascer por ela mesma, que dia 28 terei um dos meus sonhos nos braços e que tudo o que vivi para chegar aqui valeu a pena. Cada lágrima, riso, cada bocadinho que escrevi neste blog durante 4 anos - 1 deles sozinha - fazem parte do que fui e fiz para ter a Eva e o pai dela na minha vida.

 

Olhando para trás, há 4 anos nunca pensaria chegar onde estou e sem um único arranhão visivel. Sarei tudo, tive quem me ajudasse nesse trabalho, mas consegui e aqui estou/estamos. E é desta forma que quero continuar a caminhar. 

 

Quero que a minha filha seja super feliz e siga sempre o seu coração, sem pisar ninguém, mas que o siga. Quero que ame, ria até lhe doer a barriga, viva, seja ela mesma, sempre! 

 

Estaremos cá para o que ela precisar, sempre que precisar e quiser :)

 

E nós, meu companheiro de vida, que venham mais anos iguais a estes que estamos juntos. MUITOS! Até ao fim :)

 

Amo-vos muito!

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

 

Meses mais dificeis se adivinham devido a toda esta recessão mas quero crer que sairemos vitoriosos e mais conscientes disto. Gostava que fosse apenas um abre olhos e não necessário famílias inteiras passarem dificuldades tremendas para se manterem à tona ou viverem com o básico.

 

No entanto no que toca à minha pessoa nunca vivi tão bem e com tantas facilidades. Irónico não é? Há 3 anos andava com a corda no pescoço de dia 4 a dia 30/31, hoje sobra na maior parte das vezes e temos muitos, mas muitos mais gastos. Antes nunca me sobrava dinheiro e muito menos punha 2 ou 3 euros de parte, cheguei até a dividir a minha comida com as gatas porque não tinha dinheiro para lhes dar ração da mais barata que fosse. 500 euros iam num instante com a renda, supermercado - que tentava repartir pelas semanas do mês porque sempre preferi comprar pouco e fresco que em muitas quantidades e estragar-se - gás, luz, água e passe.

Salvou-me o facto da Dona Orlanda me dar jantar muitos dias da semana, punha a mesa, comiamos e davamos dois dedos de conversa o que me aliviou fardos e fardos de dores psicológicas que tinha dentro de mim. 

 

Tinha o tabaco que não só a mim mas viciava um bocado as contas mas tentava poupá-lo ao máximo e cheguei a fumar o mesmo cigarro 3 vezes (que nojo de cheiro!!!!). Podia ter tido força para deixar o vício na altura, podia, mas tive momentos em que era só eu e o cigarro, para que negá-lo? E sim, o tabaco salvou-me muitas vezes do abismo... Dava umas passas e dava mais uns passos na minha vidinha. Acalentou-me a alma muitos e muitos momentos. Claro que hoje quando se quer poupar no tabaco o melhor é deixar. É a dura verdade... Tabaco de enrolar sai barato mas que adianta se fazemos os cigarros em casa e se fuma tudo no dia seguinte como se se tratasse de um maço de 20? Poupar é deixar. Pagar 40 euros pelos pensos - investimento na minha opinião muito bom porque ajuda e podem ser usados a meias se estiverem dois a deixar de fumar - e daí para a frente pensar que é mesmo para cumprir. Estou feliz de ter conseguido apesar de por vezes dizer que quando for velhinha voltarei a fumar tudo a que tenha direito.

 

Por vezes lá fazia a estravagancia de ir a uma discoteca com as amigas (a minha consulta mensal/bimensal no psiquiatra como lhe chamava e que era muito barato - 5 euros a entrada outras vezes era à borla) ou comprar uma peça de roupa numa loja de marca tipo Bershka ou Stradivarius. Podia ter poupado muito mais, claro que sim mas era bem mais jovem, na cidade que por si só nos enche os olhos com coisas bonitas para comprar, podia ter organizado mil e uma coisas bem organizadas de forma a poupar muito mais mas não o fiz. Sou eu e se vivia sózinha e ninguém dependia de mim a responsabilidade era minha e fazia o que entendia ser o melhor para mim. Nunca fui de planear as coisas do dia a dia, não... Nunca gostei de perder tempo precioso para fazer coisas mecânicas ou agendadas. A vida deu-me abanões quanto mais eu tentava controlá-la que desejei nunca amarrar o tempo com coisas dessas. A minha mãe ensinou-me que a rotina faz mal. Não que eu anseie para sair da rotina, nada disso, é complexo... Gosto da rotina do sossego da minha vida mas volta e meia gosto de passar por outra rua ou experimentar novas coisas dentro daquilo que gosto de fazer e do que penso ser bom... Com a minha mãe enfiávamo-nos no carro, escreviámos 3 papelinhos ou mais com os sitios onde gostariamos de ir e tirávamos à sorte. Fosse Lisboa ou Faro, Porto ou Coimbra... Até ali ao café da esquina. E iamos, pois! 

 

Ai esses tempos... Custaram-me mas tornaram-me fascinada pelas surpresas da vida e preparada para muita coisa. Hoje estamos a preparar uma lista de coisas para levar na mala de viagem e chegamos ao destino e perdemos a bagagem... Que será se não tivermos algo que substitua o perdido? Um seguro, dinheiro ou uma outra bagagem de mão com o mínimo até conseguirmos arranjar uma solução. Podemos fazer uma lista, claro que sim mas há que haver planos B, C, D...Z! No fundo ter a capacidade de, se for preciso, andar sem cuecas uma viagem inteira. Por vezes acho que sou tipo plasticina que se molda àqueles moldes e a coisa passa sem muita complicação. Agora se formos como aquela plasticina velha, deixada ao ar e que mal tentamos moldar se parte... Ui a vida doi!

 

Hoje conseguimos levar uma vida sossegada mas com coisas muito boas no meio de toda esta confusão. Como disse, nunca vivi tão bem! Claro que temos receios mas com calma e equilibrio tudo chega a bom porto. Em Lisboa punhamos o que conseguíamos de parte mas uma vez no Alentejo, o Jacinto com um melhor emprego e eu feliz e encantada com o que consegui, com muito esforço e muita paciencia das senhoras do Centro de Emprego que já não me podiam ver à tarde no estabelecimento, temos feito um mealheiro considerável. Claro que há meses mais instáveis e com - lá está! - surpresas, não conseguimos colocar o nosso pé de meia ou temos de mexer nele. Estes meses foram os móveis e o computador que foi à vida mas quero recuperar o mais depressa possível para o nosso objectivo: um carro novo - quem diz novo diz em segunda-mão, mas que tenha menos de 10 anos, sff... É obvio que este dinheiro é para uma emergência antes de tudo, um plano B para uma adversidade, um despedimento, um cessar de funções que não estamos livres que nos aconteça. Pelo menos dá para uns meses em que só um esteja a trabalhar. Ao deixarmos de fumar tudo melhorou claro. Conseguimos poupar 350 euros e aliviou consideravelmente o que hoje poderia ser uma prestação muito má. Acho que deixámos de fumar na altura ideal. Com os stresses que agora temos tido, os medos apesar de tudo, seria muito mais dificil.

 

Uma coisa que não abdicamos: o pronto-pagamento. Pensamos em 3 coisas: precisamos? Temos dinheiro para aquilo? Vai prejudicar a nossa vida? E aí, mediante as respostas, avançamos e pagamos. Já quando estava sozinha assim o fiz religiosamente e fico feliz de ter alguém ao meu lado com a mesma maneira de pensar. Nunca tivemos um cartão de crédito, um cheque e nem conta-ordenado tenho. O mais simples dos simples. Uma conta com um cartão onde cai o meu ordenado, onde mexo para levantar dinheiro, pagar contas e nada mais. Comprámos os móveis e pagámos na hora. Comprámos o computador e em dinheiro vivo pagámo-lo sem pestanejar. Tudo o que temos tem sido assim. Lembro-me que quando comprámos a máquina de lavar/secar e me sairam 500 euros da conta eu deixei de respirar por uns segundos, dei conta quando me começou a doer o peito... Mas ela ali está há quase 2 anos e que se mantenha por muitos mais.

 

Não abdico de jantar fora uma vez por mês. E às sextas almoçamos uma sopa e 1/2 dose de qualquer prato compradas no café aqui da rua. Por 6 euros, uma vez por semana, é aceitável. No entanto é com a comida que gastamos mais. No mínimo 400 euros por mês só para os dois. Fazemos 4 refeições em casa: pequeno-almoço, almoço, lanche de fim de tarde e jantar. Vale o facto de trabalharmos a 10km de casa, são 40km por dia, 20 euros de gasóleo por semana. Vimos a casa porque moramos a um pulinho, aqui não há transito nem aquele desgaste do carro, temos 1 hora e meia e durante esse tempo tratamos de muita coisa: dos cães e das gatas (2 de cada e à volta de 20 euros de ração para os 4 por mês mais restos quando são aceitáveis, 20 euros em areia silica - 1 saca por semana - é cara mas dura mais e não deita cheiro), estendemos roupa e tratamos de alguma coisa que ficou por fazer. Fora as refeições de sexta, só bebemos café e compramos pastilhas (o vicio de boca á horrivel de tirar). São mais as vezes que bebemos café no trabalho - no nosso ainda é à borla.

 

Com os animais como disse são aqueles 20 euros de ração. Não dou sacas de 60 euros. Se eu não como caviar ou fois-gras, por mais que goste dos meus animais, eles não vão comer melhor que eu. Quando são pequenos, para ganhar defesas, ainda tolero, fora isso... Não! Contudo estão ali lustrosos e gordos. Têm vacinas em dia, coleiras de 20 euros cada uma de 6 em 6 meses para as pulgas, carraças e mosquitos e são deparazitados internamente de forma muito regular. Mais não lhes posso dar. Têm lençois polares na casota deles e muita gente nunca teve nenhuns - lençois que suas excelencias resolveram tirar do estendal e fazer em pedaços... Não deitámos fora. Nada do que se rasga aqui é deitado fora. Se não der para coser é para a cama dos cães ou das gatas. Para servir de pano para a loiça ou limpar o que quer que seja.

 

Enquanto não compramos o carro novo/semi-novo, andamos na nossa "burra" a gasóleo que mais poupada não há. Aquele carrinho faz 1000km com um depósito e é o nosso orgulho. Leva "sapatos" em segunda mão e não se queixa. Temos sorte que volta e meia o meu pai arranja umas trocas de pneus e dá-nos uns que dão para mais uma série de tempo. Quando comprarmos um carro tem de ser em conta, que dure e tenha espaço para levar os cães e a filharagem toda quando os tivermos. Queremos ter dinheiro suficiente para dar uma boa entrada e ficar a pagar pouco em pouco tempo, tudo isto porque não conseguimos manter a nossa "burra" mais tempo para ter dinheiro para pagar logo um carro por inteiro. No mínimo seriam precisos 4 anos ou 5 para juntar o que queríamos

 

Filhos? Andamos loucos por ter um. Há meses que pensamos nisso. Mas sem carro nada feito. Não posso por uma criança num comercial com os cães lá atrás... O boxer dava uma óptima ama mas... Claro que se esperarmos por tempos bons para se ter um filho nunca o teremos mas nós apenas dependemos do carro...

 

Casa própria não temos e não queremos. Um dia não sei como será, gostávamos de ter um bocadinho de terreno mas olho para tantas guerras de família por causa de heranças que tenho medo de deixar o que quer que seja aos meus filhos um dia e depois andem às turras. Claro que a educação conta muito mas uma pessoa sabe lá... Por agora temos uma alugada, boa, grande, barata e bonita. Com quintal para os cães, no meio da aldeia e perto da barragem para passear. Adoro! Um dia se nos mudarmos será para uma com terreno...

 

Por estarmos longe da cidade aqui temos pouca escolha e valem as lojas dos chineses onde compro a minha roupa. Sendo mulher, tenho mais coisas, claro e daí prefiro comprar barato. E já não sei escolher em grandes superfícies. Já com o homem é diferente prefiro que ele tenha coisas boas como o calçado visto o trabalho dele precisar de calçado resistente, aderente ao solo e confortável e por isso uma vez por ano darmos bom dinheiro por um par de ténis que vai alternando com outros já anteriores ou as botas. No que me toca uso tanto sapatos que ainda tinha doutros tempos como dos chineses que me duram bem mais tempo (incrivel mas é verdade!) e se se estragarem foram baratos e não me custa...

 

Em casa temos Meo com televisão e internet. Este mês aderimos ainda ao telefone grátis por um ano o que me vai poupar em telemóvel. E muito! Pois o telemóvel é um exagero. Ligo muito para a minha mãe e sendo ela de rede diferente sai-me caro... Quando acabar a promoção acaba-se o telefone fixo. Certinho!

 

Temos bi-horário no que toca à electricidade. É respeitado. Mas uma vez por outra, raramente, preciso de usar a máquina de lavar fora do horário barato por ter mais roupa para lavar mas isso é quando o rei faz anos. Temos um cilindro com tomada automática que se liga sozinha das 7 da manhã às 8h para termos banho quente, liga depois das 18h às 22h para os banhos da noite e loiça se for inverno. Pelo que gás só para comida e encantados da vida, estamos nesta casa há 14 meses e só mudámos uma vez de bilha! Não me perguntem como, mas dura imenso e fazemos comida todos os dias. É uma bilha normalíssima... Temos sorte. Tentamos acima de tudo não ter muitas luzes acesas - eu adoro uma casa iluminada e ganhei essa mania quando vivia sozinha - mas evitamos, claro. Com a água é que somos mais esbanjadores porque precisamos de lavar o quintal por causa dos cães todos os dias mas para compensar, maior parte das vezes, tomamos banho juntos o que se torna muito romantico (como se fossemos dessas coisas...).

 

Outra coisa que faço por opção e porque o sei fazer mais ou menos em casa é arranjar o cabelo, pintando-o quando precisa, cortar as pontas e esticá-lo quando me apetece. Também arranjo as minhas mãos e pés e faço a depilação em casa. Parecendo que não poupo imenso e apesar de dar trabalho tudo fica feito à minha maneira. Sou muito esquisita nestas coisas e não gosto de sugestões de terceiros quando vou ao cabeleireiro ou se quiser as unhas de azul e teimarem que ficavam bem de vermelho. Em casa faço ao meu gosto e com o tempo que possa dispensar.

 

Todos os troquinhos a mais que possamos receber (aniversários, Natal, dos meus pais uma vez que os dele já faleceram) se não forem para o mealheiro é para os gastos da semana, assim escusamos de levantar das nossas contas. 

 

Vamo-nos mantendo assim e um dia espero que tenhamos aquilo que ambicionamos aos poucos, um carro com 5 lugares para levar o nosso filho mas que seja bom e minimamente dentro das nossas posses e uma casa com um bocadinho de terreno para ter umas galinhas e plantar uma horta para termos coisas frescas. Isto se não formos para fora, porque se assim acontecer muito vai mudar. Por agora vivemos desta forma e acho que o fazemos bem...

 

Claro que pelo facto de vivermos numa aldeia não temos muitos sítios para gastar dinheiro e porque ganhamos salários dentro da normalidade para uma secretária e um engenheiro mal pago e sem regalias numa empresa sem futuro mas creio que se deve em muito à nossa maneira de viver a dois e como nos respeitamos. No fundo dependemos um do outro cada um à sua maneira e acima de tudo respeitamo-nos e respeitamos as necessidades dos dois. Há muita verdade e companheirismo que nos serve de brisa para levar o nosso barquinho :)

 

 

 

                    (Imagem da net)

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sempre fui muito namoradeira enquanto miúda. Mas namoradeira naquele bom e saudável sentido. Quando gostava de algum rapazinho da minha escola a coisa estendia-se até achar que aquilo já não dava mais e encontrava, finalmente, novo amor da minha vida, usualmente bastava que tivesse mais penugem que o anterior ou os ténis estivessem mais na moda. Maior parte, se não quase todos, não passavam de amores platónicos por um rapaz (mais) giro da escola. Aquele com que namoramos secretamente para inveja das nossas amigas mas ele não sabe sequer que existimos. Rapaz que se o Brad Pitt estava fora do nosso alcance, aquele então além de estar a anos-luz de nós, sintonizava-se numa estação completamente diferente da nossa. Era o que achávamos… Claro que se o Brad tem uma Angelina aquele tinha, sem dúvida, o expoente máximo de quatro Angelinas com genes de 20 Mónicas Bellucci e um par de mamas ainda maior. Para nós, ter maminhas naquela altura era ser-se mais. Muito MAIS…

No entanto, sempre gostei de mim, por mais feiinha que fosse naqueles tempos, e nunca quis ser igual a ninguém. Queria ter maminhas mas com estilo próprio! Ser eu mesma.

 

O meu primeiro grande amor (gosto de dizer isto como se naquele tempo quase que estivessemos de casamento marcado) aconteceu na escola primária e durante 4 ou 5 anos doeu-me gostar dele. Ele era o mais giro, o mais inteligente (pronto não era, era burro que nem um calhau mas todas as raparigas achavam que não), o que jogava à bola como ninguém e tinha aquele blusão de penas que sonhávamos que nos aquecesse os ombros em dias frios. E calei-me durante anos pois que não tinha coragem para lho dizer - e porque sempre tive noção do meu aspecto. Quando entrámos no 5.º ano fiquei feliz de ficar na turma dele mas quando dei conta das dificuldades dele a todas as disciplinas - e que tinha conseguido disfarçar na facilidade da primária - aquele sentimento já não era o que era. No dia em que, esquivo, roubou o meu diário e o leu em frente à turma toda foi o fim. Dei-lhe um pontapé onde dói mais e toda a dor que senti por gostar dele foi-lhe transmitida e ficou-lhe alojada nos tomates - não sei se já terá filhos...

 

Como sempre fui liberal no que toca a religiões, cores, etnias, certa vez apaixonei-me por um rapaz de etnia cigana. Aquilo era o supra-sumo do amor e da beleza. Pensava em fugir com ele e refugiar-me num acampamento, casar-me com 12 anos, ter filhos aos 13 e viver a minha vida vendendo nas feiras. Achava mesmo que aquilo resultaria um dia. Mas também nunca lho disse e ele nunca me tomou como sua mulher nem sequer lutou por mim fazendo frente à família e seus valores ancestrais... No fim foi como veio, num bater de palmas tipo Joaquin Cortez.

 

As origens também nunca me importaram daí que me apaixonei perdidamente por um vizinho francês que tinha uma boxer que engolia bolas de ping-pong e regurgitava-as com tal satisfação como quando tentava abocanhar as mãos ou braços de alguém. Aquilo foi o começo de algo mesmo profundo que como sempre guardava só para mim. Até um dia um colega comum descobrir os meus sentimentos e ameaçar-me contar-lhe e foi aí que agarrei em todos os instrumentos de se ser mulher e fingir que gostava do queixinhas e assim desviar as atenções dele para outros assuntos que não a minha vidinha e sentir-se orgulhoso de ter roubado a minha atenção do outro que era rival dele no karaté ou noutra modalidade tipo taekwon-do. Mas no fundo era do franciú de quem eu gostava e quando ele um dia me deu um pontapé na mochila do Snoopy partindo o meu estojo novo e se encantou por uma rapariga da minha tuma, vivendo tórridos momentos de paixão (tipo 13 anos) a coisa afundou-se. Daí que coisas vindas de terras de Napoleão só mesmo os crepes e e e não muitos porque ando de dieta. Passados anos acho que ele fugiu para a França e agora é arrumador de carros... (Hoje ganha-se mais que com um curso superior...). A boxer teve um desgosto e comeu as bolas de ping-pong e a mesa tendo um desarranjo intestinal.

 

O meu primeiro beijo dei-o ao campeão dos beijos com língua lá da escola. O fulano com 11 anos deixava as miúdas com cieiro de tanto as sugar. Aquilo foi uma experiencia bonita mas a Labello não patrocionava a nossa relação e eu sempre quis envolver-me com amor e por ele não sentia nada - até porque era mais baixo que eu uns 10cms - daí achar que não tinha pernas para a andar e acabar com ele 12horas depois de termos começado. Ganhei experiência e respeito claro está. Mais tarde tentei a proeza de voltar a envolver-me com alguém sem amor ou mínimo de paixão. Continuava a pensar o mesmo que 10 anos antes... Não resulta. Nem quando se é o maior sedutor lá do sítio...

 

Tive um fraco pelo rapaz do capuz tipo Noddy mais inatingível que o outro mais inatingivel que o Brad Pitt e pelo de olhos azuis que passados 14 anos tem menos 15cms que eu e ar de rapaz que guarda galinhas por não saber o que é uma vaca. Amei de paixão o que se fixava ao portão da escola por já não ter idade para lá andar e por lá cirandava com o cão rafeiro. Hoje acho que seria considerado pedofilia mas só chegámos a vias de facto uma única vez: eu perguntei-lhe de que raça era o cão dele... E ele respondeu: É cão... Agora que reparo acho que sempre tive uma queda para pessoas inteligentíssimas nesses tempos.

 

O primeiro homem da minha vida, a sério, conheci-o com 13 anos. Estava no bar da escola e naquela conversa de amigas com um "quantos-queres" perguntaram-me o nome do rapaz de quem eu gostava e eu vi-o entrar naquele exacto momento e sem saber quem era apontei para ele e disse: "É aquele". Daí até o conhecer demorou um ano - até porque chumbou a raça do miúdo! Eu não digo? - e porque era mais velho que eu três anos não me ligava nenhuma, claro, inclusive passava para o outro passeio só para não ter de olhar para mim. Quando um rapaz de 16 anos já com barba e voz de gajo grande se depara com uma miuda franzina, sem mamas e quatro olhos com certeza tem sonhos húmidos... Deve fazer xixi a meio da noite com pesadelos. No entanto quando mudei de casa e cidade, continuávamos a falar por mensagens de telemóvel - siiiiim já havia disso mas eram caras e aquilo levou quase a fortuna de família ao limite - e acho que foi aí que virei o bico ao prego. Já tinha 14 anos, formas, tinha tirado os óculos, optado por roupas mais femininas e como sempre dotada de uma personalidade e individualismos muito próprios. E ele apaixonou-se claro. Era a minha meta e consegui-o por mérito. Namorámos até aos meus 19 anos. Foi o primeiro homem da minha vida. Era engraçado. Todos achavam piada ao resultado dos meus esforços, ele era giro, mais velho, certinho e boa pessoa. Porém a maneira de ser das pessoas muda e aquela pessoa por quem outrora me apaixonara, modificou-se e o resto já se sabe. As companhias não ajudaram, as faltas de respeito e agressões físicas também não e apesar de me ter doído horrores porque sempre sonhara em ser mulher do primeiro homem e me ter anulado por completo durante anos, fui obrigada a seguir em frente por ainda restar um bocadinho de amor por mim mesma.

 

Hoje não lhe guardo qualquer sentimento. Minto! Sinto sim, indiferença... Há um par de anos teria jurado que não. Que ainda mexia comigo. Neste momento é vazio. Oco. Porque voltei ao que era antes de o conhecer: miúda determinada e com rasgos de ingenuidade que faço questão de manter, mesmo que seja uma ingenuidade imposta por mim, de quem não quer ver e não inocente como nas crianças, mas prefiro assim que ver tudo com seriedade ou como são as coisas de verdade pois se assim o fosse faria infeliz quem está ao meu lado porque era uma pessoa amarga e triste com tudo o que passei, batendo na mesma tecla uma e outra vez. Claro que as marcas internas da violência doméstica não se saram assim e por vezes ainda vamos de peito feito como se ganhássemos coragem para mais uma estalada ou um murro como quem diz: não dói! mas aos poucos e porque se é amado de verdade, não há falta de respeito e acima de tudo há verdade, as coisas encaminham-se e guardam-se os pesadelos lá numa caixinha que temos ao pé do intestino grosso para que quando tivermos vontade de as ir buscar para nos auto-flagelarmos damos um peidinho e rimo-nos de satisfação.

 

Nos entremeios deste relacionamento e da minha relação com o meu Jacinto conheci mais pessoas, claro. 20 anos. Menina na cidade grande sem se saber muito bem orientar. Conheci mocados, casados e desinteressados. Conheci traumatizados, desmiolados, poucoxinhos e auges da evolução lá do prédio deles. Mas esses, oh... Não têm piada. Quer dizer. Têm porque cada um teve o seu tempo de antena e baseados na rádio pirata que foi a minha vida por momentos. Não me sintonizava muito bem. Eram básicos, ou fúteis, pessoas que ou mudaram muito e começaram a respeitar o próximo ou terão de voltar cá muitas vezes para se iluminarem. Têm muito que andar a vaguear até se encontrarem. Não são más pessoas, atenção... São apenas pessoas sem conteúdo ou com um saber injectado porque se deve ser assim e comportar-se de maneira completamente diferente quando não são nem uma nem outra, vítimas de uma educação exagerada ou falta dela e de uma vida complexada que não os deixa sentir, abusando do facto de estarem vivos para poder rasgar o intimo de quem lhes passa pela vida. E foi num desses dias que sem paciência para o que era sem ser mas que aparentava nada no horizonte que me meti num chat e falei pela primeira vez com o Jacinto também ele em busca sabia lá bem do quê porque estava sozinho longe de casa e dos amigos. Homem com quem partilho a minha vida e o meu ser EXACTAMENTE como ele é. Sem tirar nem pôr. Sou 100% eu a todo o momento e nem ele me quereria por menos. A 7000km de distância e durante 4 meses falámos de manhã à noite e se há pessoas que dizem que se juntaram ao fim de 3, 4, 10 anos de namoro, nós cedemos as nossas vidas um ao outro ao fim de 16000kb de conversa ahahahahah! No dia em que nos conhecemos, naquela hora, começámos a viver praticamente juntos e ao fim de dois anos acho que tem corrido muito bem. Baseamo-nos na confiança e no facto de sermos como somos. No fundo acho que termos falado sem nos conhecermos - podendo claro haver a hipótese de um de nós ser um aldrabão ou os dois - ajudou a mostrar o nosso melhor e pior sem medo de sermos julgados pois que a qualquer momento podia-se desligar o computador ou bloquear a pessoa e a coisa por ali ficava. Ainda bem que não ficou e que naquele dia, sabendo só duas ou três pessoas, o fui buscar ao aeroporto vinha ele de Luanda e o trouxe para o lar que construí sozinha a muito custo mas que esperava por alguém assim para partilhar.

 

Sempre achei que as minhas relações deveriam ter uma história bonita por trás porque as histórias são e devem ser contadas. E um dia que tenha um filho ou filha faço questão de contar tudo para que saibam que é bonito sim amar e ser-se amado, que dói tudo isto mas que faz parte de uma selecção de coisas que nos farão mais fortes e capazes de lutar pela nossa felicidade. Que a mãe chorou muito, sofreu, bateu com a cabeça na parede com medo de perder tudo o que era mas que conseguiu erguer-se e tornar os sonhos realidade, encontrar a felicidade mesmo que a muitos quilómetros de distância e numa noite em que nada fazia prever que seria diferente das outras.

 

Tenho agora 24 anos - não passou muito no calendário mas aqui dentro parece que tenho muito mais - quero crer que as pessoas que conheci, apesar de tudo, não foram em vão. Em conversa com o meu Jacinto ontem falámos sobre isso e nenhum se arrepende de nada do que fez e rimo-nos quando se confessou que algumas na altura até podíamos ter ido até ao fim para saber como era, mas que em nada nos arrependemos e é isto que também faz a nossa relação tornar-se viva: não existem fantasmas, feridas por sarar. Claro que existem cicatrizes mas essas lembram-nos de que devemos sempre olhar em frente por mais medo que tenhamos em seguir para o desconhecido. Poderá ser pior mas pelo menos tentámos e tentaremos até arranjarmos o nosso lugar. Porque todos nós temos um lugar.

 

 

Amo-te Luís. Obrigada por me deixares amar-me a mim e ser sempre sincera connosco quando todos os que nos julgam não passam de cães tosquiados. 

 

 

 

 

 
 
 
 
Os homens minúsculos que me tornaram a mulher forte que sou só o fizeram para poder seguir em frente e partilhar a minha vida com o GRANDE HOMEM que hoje tenho comigo. Uma salva de palmas também para eles!
 *CLAP*CLAP*CLAP*
 
BIS
 
 
*CLAP*CLAP*CLAP*
 
 
 
 
 
 
*Já chega*
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

30
Mai09

Porque sou assim....

por Pobre(o)Tanas

 

 

Eu nunca omiti o facto de que o meu blog iria morrer assim que eu saisse dos advogados, uma vez que eram eles que o alimentavam... Podia falar do meu actual trabalho mas nao vejo nada fora do normal ou que pelo menos trascendesse aquilo que vivi no outro que pudesse escrever aqui... Por isso não o faço.

 

 

Depois a minha vida deu uma volta enorme porque saio cedissimo e chego mais tarde ainda - não é por isso que ganho mais mas pelo menos faço o meu trabalho...

 

Deu tudo uma volta tão grande que tive de entregar a Pamir aos cuidados do meu pai e avó para que o animal se sentisse feliz num local com espaço porque tempo é coisa que não tenho nem sequer para dormir...

 

Entretanto tenho feito de mãe para a minha propria progenitora uma vez que a dela já não esta entre nós ha muitos anos e a minha não teve quem lhe desse nas orelhas. Por isso alem das minhas três "filhas" adquiri mais uma...

 

Não tenho tempo para os amigos e só hoje - meses e meses depois - irei sair e so hoje cuidei de mim como mereço com direito a manicure e tudo... O tempo para tanta gente é tão escasso que algumas pessoas nao compreenderam isso e decidiram mandar-me com os porcos e nem me deixaram explicar que apesar de não possuir tempo não quereria dizer que não pensasse nelas... Mas a vida é mesmo assim e sinceramente não me deita abaixo...

 

Para a semana a minha vida dará outra volta. Algo que aguardo há meses...

 

O Luís regressa a Portugal e eu estarei no aeroporto à espera dele como se esperasse pela felicidade 22 anos... E com isso, se o meu blog já andava as moscas, a partir daí será bem pior porque a minha vida nem sequer passa por aqui. O mundo lá fora tem coisas lindas e quero aproveitá-las...

 

Tudo se resume a isto... Trabalho e casa, esperar por ele, mais trabalho ainda (que por vezes até é feito em casa) e tentar dormir as 5 horas diárias que preciso no minimo para me recompor para mais um dia.

 

Descobri nestes ultimos tempos uma nova faceta em mim... A competição... Nunca pensei sê-lo pelo menos num mundo do trabalho... No entanto revelei-me... Não estou triste nem contente. Estou surpresa comigo. Porque não haverá merdice nenhuma que me tire o meu pão diário e se tiver que fazer 15 horas a trabalhar, faço-as. O meu lugar é meu. Temos pena. E nunca poderão pegar por não o fazer... Preciso dele para manter a minha casa e pela minha casa faço tudo...

 

O meu bem estar esta primeiro. A minha vida... E se for preciso trabalhar arduamente para tal eu estou na linha da frente.

 

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

 

 

Como eu disse ontem... A minha mãe deu à luz duas "maquinas de guerra"... No que toca a mim houve um erro na concepção... Saí mais sentimentalona.....

 

No entanto.....

 

 

"Mas.... Não lhe está a doer?"

"Nada mesmo..."

"Bem maior parte das clientes até se contorcem..."

"São mariquinhas..."

 

 

----------------------------------------------------------------------

 

 

 

Fui---------------------------»

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

25
Abr09

Para ti...

por Pobre(o)Tanas

 

 

Tenho duas coisas a dizer-te:

 

 

A primeira porque foi preciso reerguer-me para chegar aqui e ter esta força para acreditar no que sou e no quanto consigo alcançar. Porque lá está, "criei asas e voei"... E só assim, através de um "eu", posso ir em frente através de um "tu" até um "nós"...

 

 

 

 

A segunda porque és tu, simplesmente, e adoro olhar para o que de dentro de ti vem até mim...

 

 

 

 

 

 

 

Chamem-me louca...

 

 

Doi apenas porque quero tanto... Se mais não houver estou cá, comigo mesma, para me levantar vezes e vezes sem conta. Até lá sei o que quero.

 

 

Quero-te a ti... Assim porque sim.

 

 

Porque és tu:)

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

01
Abr09

O MUNDO É MEU!!!

por Pobre(o)Tanas

CONSEGUI, CARAY!!! CONSEGUIIIII!!!

Epahhhhhh que loucura, que estado de alma, que nervos e que soltura me deu esta tarde...

 

A bom português caguei mesmo a valer para os "anões" todos!!!

 

Se tivesse tomates e pilinha tinha puxado as calças para baixo e tinha mostrado o material todo a toda agente da Faixa de Gaza...

 

E diria:

 

- Olhem só o que vão perder...

 

 

Mas como não tenho nada disso - nem mamas - fumei dois cigarros e continuei a carta que estava a fazer...

 

 

 

 

E agora vou voltar ao normal para ninguém ouvir ou ler o que para aqui vai...

 

 

Vá, tudo a agir como se nada fosse....

 

Chiu...

 

 

Pouco barulho... Ou como diz a minha avózinha: Pouca guita que o papagaio vai alto...

 

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

 

 

FOGOOOOOOO VIDA NOVA, CARAÇAS!!!

 

 

 

QUEM É QUE VESTE AS CALÇAS COM BOTAS COR DE ROSA CHOQUE, QUEM É?????

 

EUUUUUUUUUUU!!!

 

 

 

 

QUEM É QUE TEM 3 "FILHAS" LINDAS QUE SAEM À "MÃE" NO FOCINHO, QUEM É?????

 

EUUUUUUUUUUU!!!

 

 

 

QUEM É QUE VAI COMER ARGOLINHAS DO PINGODOCE ATE REBOLAR, QUEM É?????

 

 

EUUUUUUUUUUU!!!

 

 

 

QUEM É QUE...... Bom já me calei...

 

 

 

 

 

 

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

 

E agora vem a parte dos agradecimentos da Artista:

 

 

Agradeço aos amigos todos que me têm suportado e muitos deles ao colo quando eu tenho os joelhos dormentes, à família porque somos uma cambada porreira e tal, às minhas "filhas" porque tiram-me do sério logo de manhã e assim consigo ir trabalhar com a pica toda, e a mim porque tenho tido tomates - mesmo não tendo...

 

 

 

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

 

 

Sou Minha cada vez mais e só assim sei que posso ser de alguém também...

 

 

 

Estou viva, feliz, muito feliz, sem palavras (enaaaaa isto sim é uma novidade), louca, a rebentar de força de vontade para tudo...

 

 

Que bom que me levantei a tempo... Não sabia que se podia estar tão bem...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

 

Pois agora vou...

 

 

 

 

Ah... Esperem! Cliquem no "Play" se fazem o favor...

 

 

 

 

 

 

 

 

Pronto posso continuar...

 

 

Calcei o salto alto, agarrei na mala e rumo às compras... Vi as lojas todas que queria, sem pressas, experimentei, peguei, mirei tudo... Sacos na mão, bem vestida, penteada, pintada... Senti-me MULHER INDEPENDENTE! Só eu e eu...

 

O dia estava péssimo mas nada disso me afectou.

 

Quando melhorarem irei concerteza até à praia. Pego num livro e lá vou eu...

 

 

E quero que esta musica me acompanhe nesse dia... Quero mesmo!

 

Coisas pensadas? Nao... Apenas são "fantasias não sexuais"...

 

 

 

 

E sou FELIZ ora! Mais badochazita é certo... Mas o McDonald's este mes tem sido o meu Templo!

 

 

Comprei um par de calças, um perfume (ha 4 anos que nao comprava a porra de um perfume!!!), um rimel, um lapis para os olhos, uma esponja para os meus banhos (coisa que me faz falta e ainda nao tinha) e um leitor de cartoes (que não me serve de nada porque não tenho adaptador e não li isso na loja loool)...

 

 

Hoje "cinemei" com a Bug. Fomos ver O Wrestler... (Gostei!!! E eu que não gosto de Wrestling mas pronto... Vão ver!!!)...

 

 

 

 

 

 

 

 

Se virem um bicho com botas rosas assim, sou eu... Podem fugir...

 

 

As da Bug metem medo... Um pontapé com aquilo é capaz de fazer um bocadito de doer...

 

 

 

 

 

E pronto... Sabe bem ser apenas "assim"...

 

 

Chegar a casa, sentir o aroma a limpo, tomar o tal banho com a esponja e velas, vestir o pijama e fumar o cigarro sabendo que o que olhamos é NOSSO!

 

E em resposta à pergunta que me fizeram ontem:

 

 

- Sim, tenho uma paixao... Melhor, tenho DUAS! Eu e a minha CASA! É por nós que levanto o cu da cama todos os dias cedo... Porque não vou perder! Porque sem mim e sem ela não tenho forma de ter as minhas outras paixões: as miudas, os amigos a quem lhes abro a porta de sorriso aberto, a cama quente, a comida e principalmente a sanita onde despejo (via anal e por vezes oral - ouso dizer em forma de cocó e vomito) as perguntas idiotas que me colocam...

 

 

 

E assim *cantarolando* e *dançando* (batendo com os pezucos) me vou...

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

12
Fev09

Nhaaaaa!!! Nhaaaaa!!!

por Pobre(o)Tanas

 

 

Hoje não me apetece dizer mal do meu patrão... Não porque não esteja irritada com ele e não me apetecesse, mas mais do que irritada, estou triste e quando isso acontece, fico sem vontade de falar sobre o assunto...

 

De maneira que para me animar fui...

 

 

ÀS COMPRASSSSSSSS!!!

 

 

Comprei umas botas a 9,90euros - que daqui a dois meses estão canejas - que eram as únicas que lá estavam e como tenho sorte, eram o meu número... Um singelo 39... Pronto eu calço o 38 mas de bota é o numero acima porque eu uso meias grossas para aquecer... E porque não me tem apetecido cortar as unhas dos pés... Não encontro o corta unhas e porque assim se alguem me chatear, descalço a botinha pipoca, retiro cuidadosamente a meia e ataco de forma instantanea quem estiver à frente... Depois com o chulé é tipo gás toxico...

 

Fora de brincadeiras de pita parva...

 

Sábado vou... Er... Não digo onde vou... É surpresa... Assim ninguém sabe! Mas é algo positivo!

 

 

 

Que parvo que anda o meu blog... Ou quem escreve... Que se lixe... Tenho umas botas novas!

 

 

 

 

De maneira que vou estender roupa e tratar da que vou vestir amanhã...

 

 

 

Apetecia-me ir dançar amanhã à noite... Há uns dois meses que não o faço e como já disse dançar é a minha consulta no psiquiatra.. E tenho faltado... Se tivesse carro ia sozinha mas pronto...

 

Que se lixeeeeeeeeeeeeeeee sou felizzzzzzzzzzzzzzzzz e

 

 

 

*TENHO UMAS BOTAS NOVAS!*

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

24
Dez08

O meu Natal...

por Pobre(o)Tanas

 

 

Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh (okay porque raio ando com esta mania do "ahhhh"...?)

 

 

Hoje escrevo de consciência tranquila porque não há NINGUÉM atrás de mim e posso estar aqui parvar o tempo que quiser...

 

 

Bom sinceramente nem sei que escrever e logo hoje que enfim estou à vontade. Isto é estupido. Parece que só sob pressão é que saem as coisas.

 

Acho que vou receber os subsidios na segunda feiraaaaaaaa!!!

 

"E o que vais fazer com o dinheiro?" - perguntam aqueles mais curiosos...

 

Vou enfiá-lo debaixo do colchão - uma vez que já não dá para acreditar nos bancos, não é? - e dormir uma soneca descansada... Brincadeira. Vou enfiá-lo mesmo no banco e vou "estacionar-me" à porta do estabelecimento a babar-me enquanto leio "Millennium BCP"... Sim porque digo já aqui que vou receber uma pipa de massa! Senhoras e senhores vou receber um balúrdio! Para aí uns 300 euros LOOOOOOOOOOOL E como é uma quantia enoooooorme com ela dá para comprar uma ilha deserta, um avião, uma herdade no Alentejo, um apartamento luxuoso em Nova Iorque, fazer uma viagem pelo mundo, comprar ainda um quilinho de tangerinas e um chocolate twix que bem me apetece hoje... Ah e ainda comprar metade da Sociedade do meu patrão e ser a primeira secretária na historia de secretárias de Benfica a fazê-lo... Muah!

 

Daqui a nada não recebo é peva porque se ele lê isto lixo-me...

 

Será que posso pedir uma quantia por danos morais e por a minha veia da escrita ter-se evaporado? É que sinceramente nota-se o quanto me está a custar escrever. A mente está estupidamente parada. Que nervos...

 

 

Vou tentar dizer mal da Psico pode ser que assim consiga alguma coisa...

 

 

Ontem fui à net (já passava da hora de saída) pesquisar sobre a FIV nos gatos... Ela vem "Ah hoje vai fazer serão?", "Não!", "Então veja isso na net em casa...".

 

 

 

Engoli o meu fel - acabando por fazer uma careta de limão -, peguei na minha mala, rodei nos calcanhares e disse:

 

"Bom Natal, hum?"

 

"Ah... Amanhã não vem não é?"

 

"Não... Bom Natal..."

 

 

 

 

 

Fechei a porta e fiz-lhe um manguito mental...

 

 

 

 

 

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

 

 

 

Bom antes de mais quero desejar a todos um FELIZ NATAL com coisas boas, com a família e amigos, com comidinha e uma grande harmonia. Aos que vão passar sozinhos pensem que há aqui alguém que vos dá um abraço grande e um beijinho especial.

 

 

O meu Natal este ano vai ser diferente porque vou estar num sitio em que me sinto plenamente bem. O ano passado foi com a defunta com gente que não conhecia de lado nenhum. Havia prendas em numero de fazer inveja aos filmes que vemos e que eu nunca tinha visto, mas digo-vos, é bem melhor pouco mas com harmonia e acima de tudo verdade, amizade e amor, coisa que não existiu nesse Natal. Este ano vou poder chupar os dedos cheios de azeite, rir, espreguiçar-me, coçar-me, dançar, dizer disparates e dar abraços coisa que não pude há 365 dias atrás porque aquilo era gente do jet-6,5 ou pseudo-ricos... E eles não fazem dessas coisas.

 

Mas são dos que têm de saber quem é que deu a prenda a quem e o quê para saberem mais tardes os preços nas lojas... E só de presenciar a figurinha da minha mãe a tentar descobrir o preço do relógio, que o namorado dela da altura lhe ofereceu, para ver se era mais barato que as prendas que ele me ofereceu a mim e à minha irmã (filhas dela) foi algo triste mas digno de se ver... Por isso este ano não recebe nada que é para não se armar em chica esperta. É que nem um Bom Natal e venha de lá com as teorias dela que somos filhas cheias de rancor que me estou nas tintas... DETESTO NATAL DE RICOS!

 

Amanhã, como já disse, vou passar o dia no meu pai. Será que nos vamos sentar os dois a fumar o nosso cigarro da paz? Espero bem que sim. Temos falado todos os dias e as coisas estão mesmo num bom rumo. Já há os miminhos, os beijinhos e a piadolas ao telefone o que para mim sabe-me bem porque no fundo sempre fomos unha com carne apesar dos feitios...

 

Bom vou deixar aqui uns beijinhos em especial e espero não me esquecer de ninguém:

 

 

- SoFlor! Minha querida Soflor, espero que passes um optimo Natal junto dos teus, com muito amor e carinho. Que continuemos mais Natais a escrever. Obrigada pela tua presença sempre, mesmo que silenciosa, mas que sabe sempre bem:) E não tens de pedir desculpa por essas ausências... Beijinho

 

- Borboleta (Anita)! Minha linda, que o Menino Jesus te traga muita paz e um amor lindo, lindo que te faça feliz, feliz e mais feliz porque mereces! Que haja harmonia desta noite em diante para ti e para os teus! Beijinho

 

- Sarocas! Que o Menino Jesus te traga essa felicidade junto do teu G., dos teus "piquenos" e restante família. Que sejas ainda mais feliz na tua casinha nova e que enfim para o ano cá continuemos secretárias de "malucos". Pelo menos tu que eu dispensava bem LOOOL Beijinho querida!

 

- Maria de Fátima! Ainda não nos conhecemos bem virtualmente mas assim que conseguir a internet espero que criemos laços como aqui já criei com tanta gente que me é tão querida! Desejo-lhe um FELIZ Natal com tudo o que a deixa feliz! Um beijinho muito grande!

 

- Meu Samuel de sempre! Meu querido amigo, as tuas broas já foram escritas mas eu gosto tanto de ti que é obvio que não podia deixar de escrever mais umas linhazinhas! Porque me fazes sentir bem comigo mesma e porque este ano e como bem disseste não foi um ano mau, foi um ano de abertura de caminhos. Quero-te aqui sempre ao meu lado:) Beijinho meu querido amigo! E um abraço apertado!

 

- Joanina! A minha "Tia" emprestada. São tantas virtuais e reais que já tenho uma alcunha em Queluz : "Cadelinha abandonada que eu adoptei" - É o que diz a D.ª Orlanda! Ahahahah Joanina engorda aí o A. fá-lo comer porque bem precisa. Já que as calças lhe andam a cair - diz que é por falta do cinto... Desculpas! Espero que este Natal seja perfeito com tudo o que desejaste... Junto dos teus que tanto amas! E que tal como o Samuel me acompanhes nesta aventura que é crescer como pessoa. Beijinhos! E aquele abraço!

 

- Kai! Que o Pai Natal te traga um novo grilo! LOOOL Um beijinho grande para ti e que passes um dia muito, muito, muito feliz! E pede ao menino Jesus para um dia sermos vizinhos já que o Norte é uma das minhas ideias... LOOOL Beijinho!

 

- Flau, Bug, Master, Cocas, Anusca, todos do Tasco que por aqui passam... Um dia Feliz, Feliz, FELIZZZZZ! E a ver se combinamos aí um novo "ajuntamento"... Gosto de vocês...

 

 

 

 

A todos os que me esqueci - e com esta listinha de pessoas queridas que fiz posso estar a criar um ajuntamento de outras que aqui passam e se sintam revoltadas por falta dos meus beijinhos e abraços - ficam aqui MILHARES DELES (porque dinheiro está escasso até segunda e depois de segunda também porque serei pobre o resto da vida)...

 

Mas uma coisa é certa, pessoas. Sou pobre de algibeira, mas riquissima porque tenho pessoas fantásticas ao meu redor e se continuar com esta vida como a que tenho até ao fim dos meus dias, beijarei os pés de Deus mal o conheça e agradecer-Lhe pelo que tenho...

 

 

E agora lembrei-me da musica da Floribella... "Num tenho nada, mas tenho, tenho tudo... Sou rica em sonhos e pobre, pobre em ouro..." Patati, patatá...

 

 

Tenho pena sim que haja quem não aproveite estes momentos com os amigos e família... Se criem guerrinhas familiares por NADA! Uma coisa aprendi este ano e aproveito para fazer o balanço... A perdoar. Aprendi muito. E como disse o Samuel, não foi um ano negro. Foi um ano de abertura de caminhos para um melhor que se aproxima... E acredito nisso. Penso que cresci, criei o meu espaço, o meu mundo, afastei-me do mal, criei regras, estabeleci contactos, re-criei-me... E acima de tudo busquei a minha felicidade! Aquilo que ganhei de bom, este ano, desejo a todos os que por aqui passam, em dobro. Nomeadamente uns parezitos de chinelos que sei que estão ali à minha espera na árvore... Ahahahahah e é com esta tolice que hoje me despeço...

 

 

BEIJINHOS E UM SANTA NOITE!

 

 

Pobre(o)Tanas

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D