Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Agora sou esposa, mãe, completa! Mas continuo minha... Sempre!

15
Jul08

Em noite de trovoada...

por Pobre(o)Tanas

 

A Pobre(o)Tanas pega nas chaves e dirigi-se à Amadora acompanhada dos seus fiéis seguidores de mudanças de sempre: a irmã e o cunhado.

 

 Entram no prédio. Sobem as escadas que dão para o andar que vai dar à porta onde entrará a chave que tanto conseguiu a ter.

 

 A tranca da porta abre-se. Papeis de corte de luz e água caem. Susto! Pequeno gritinho de medo com um passo atrás. Risos.

 

 A casa está completamente às escuras.

 

 Acendem-se isqueiros e às apalpadelas tenta-se encontrar as janelas para entrar o que resta da luz do dia. O cheiro a mofo entranha-se pelas narinas.

 

- Precisa de umas grandes limpezas, sem dúvida.

 

- Não vejo nada...

 

 A casa é alcatifada. Não há fogão. Os móveis são antigos.

 

 Entramos naquilo que julgamos ser a sala. Novamente tudo escuro.

 

- Dizem que ainda está aí o colchão. Deram autorização para o deitarmos fora.

 

 Outra divisão. O quarto...

 

 O isqueiro novamente acende-se. Pouco se vê. O colchão. Cobertores que ainda o enrolam. Vidros de mobilia partidos no chão. Divisão atolhada de moveis inúteis. Uma arca. A escuridão.

 

 - Penso que ele morreu aqui. Ou então não. De qualquer forma há que deitar aqueles cobertores e lençóis fora.

 

 - Ideal seria arrumar tudo o que não interessa nesta divisão. Ficava tipo sala de arrumos.

 

 - Precisa mesmo é de uma limpeza geral. Nada como o meu CIF aqui a trabalhar.

 

 Voltam para a sala onde a luz entra. Sofás roídos pelo tempo e podres da humidade e do mofo.

 

 Sentam-se e acendem um cigarro.

 

 Olham em redor.

 

 - Tens televisão. Mas deve ser a preto e branco.

 

 - De qualquer forma raramente vejo televisão. Trago o portátil...

 

 - Agora é so pedir luz. Logo vemos, na net, o preço para a reporem. E água também faz falta.

 

 - Hum, hum.

 

 - Bem sítio para as gatas já tens.

 

 - Felizmente.

 

 - Sabes - diz virando-se para o outro lado. - Ela diz que a Piggy está meia pelada. Pensamos ter sido da guerra com a Brida.

 

 - Pois está. Coitadinha. Esta semana penso limpar isto e trazê-las o mais depressa possível.

 

 - E o nosso "cabo" não vem ajudar?

 

 - Não sei. Não sei se virá dos Açores no fim de semana. Além disso não preciso da ajuda dele já que a única preocupação que tem são os móveis a carregar.

 

 - Como homem a minha única preocupação é mesmo essa...

 

 Risos

 

 - Bem vamos lá embora. No fim de semana trataremos das limpezas...

 

 As janelas são fechadas novamente. Um som fantasmagórico vem por detrás de nós.

 

 - UHHHHHHHHH...

 

 - Parvo! Deixa-te disso!

 

 - Eh eh!

 

 Saímos. E um suspiro sai de dentro de mim também...

 

 Que mais me espera?

 

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

 

 Bom a casa está mesmo mas mesmo mesmo a precisar de limpeza. Não há condições para ser habitada. Nada como uma limpeza a fundo. De qualquer forma cavalo dado não se olha o dente e por isso mesmo estou agradecida pelo canto pelo menos para ter as miúdas e poder estar com elas.

 

 Basicamente nas proximas semanas será arrumar as coisas, uma vez que já pedi luz hoje de manhã. Poderei deixá-las lá e vou poder estar com elas todos os dias. Saio do trabalho e ao fim do dia estarei por lá. Quando estiver tudo limpinho ao meu jeito aí sim mudo-me. Por enquanto é limpar o máximo possível para as instalar com condições. Nem os bichos se iam sentir bem sem limpeza.

 

 Pedi o dia de amanhã e o patron não disse que não. Custou-me um dia de férias mas pronto valores mais altos se levantam.

 

 Já comprei esfregões de aço e ambientadores. Foi o mínimo... Amanhã andarei pelos comboios com um balde uma esfregona até à Amadora mal acorde. Pensando bem tenho lá uma bata que usava nas pinturas. Portanto devo levá-la também...

 

 Bonito será conseguir entrar na casa, abrir as janelas sem me borrar nas cuecas com o medinho...

 

 Oh a quem saí eu tão caguinchas...? Deveria ter medo dos vivos não dos mortos... Nem de fantasmas e coisas do género... Mas como vou com a esfregona e o balde sempre serve de espada e escudo... Talvez leve alhos dentro do bolso...

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D