Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Agora sou esposa, mãe, completa! Mas continuo minha... Sempre!


18
Mai10

Num breve estalar de dedos...

por Pobre(o)Tanas

 

 

Nas arrumações encontramos material de óptima qualidade no que toca ao que já fomos como o caso de fotografias da época da faculdade.

 

Depois dei com esta música num desses cd's com fotos de tudo e quase nada e deliciei-me porque muitos momentos me vieram à mente.

 

 

 

 

 

Como era tão normal.

 

Comecei por acordar cedo e deitar-me tarde para estudar e apanhar tudo o que podia das aulas. Fazer os trabalhos a tempo e ter tempo ainda para a família que me restava, manter a casa que depois da separação dos meus pais fui eu quem lhe manteve o toque feminino, a ausência permanente da mãe, a falta de pontualidade e assiduidade do pai, o namorado que me agredia por lhe faltar alguma coisa na vida e um sem número de dúvidas quanto ao meu futuro. Muito chorei.

 

Depois de um tempo comecei por não ir à primeira nem à ultima aula. Ninguém sabia... E a única preocupação passou a ser a de ter de apanhar o último autocarro para casa: o das 21h20.

 

Cedo percebi que vir para casa não resolvia de muito as minhas dores e passei a dormir em casa de amigas. Por vezes a noite já ia tão longa que nem dormia ou adormecia na estação de metro à espera que abrisse.

 

Aos poucos percebi que se metesse merdas na cabeça e no corpo tudo era melhor. E vi-me no que tentei que terceiros saíssem. Na minha cabeça nada fazia diferença. Tudo era igual ao litro. 

 

Mas da mesma maneira que entrei, saí... E esta música ajudou-me no início e no fim de todo este processo. Não pela letra mas pela sonoridade que me fazia acordar quando o que mais queria era dormir e dançar quando tudo à minha volta soava a falso.

 

Hoje posso dizer que dou Graças por tudo aquilo que já vivi e tenho poder mental e físico para olhar para o passado e estalar os dedos para passar à próxima imagem. E que era uma miúda linda com bom coração. Inofensiva e sensível. Tão parvinha quanto possível mas um amor de pessoa. Uma joia!

 

(Realmente tenho um sistema muito evoluído basta mesmo estalar os dedos e tudo aparece ou desaparece conforme me apeteça).

 

 

 

 

E agora esta musiquinha apareceu outra vez para me dizer que tenho de voltar às arrumações... E são 3 e meia da manhã!!!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

17
Mai10

Caí...

por Pobre(o)Tanas

 

 

Vinha com um púcaro de água e caí... E não é que não entornei uma única gotinha de água no chão?

 

No entanto estou aqui toda estraçalhada...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

16
Mai10

Em modo mudanças...

por Pobre(o)Tanas

 

 

 

 

 

Pois é... Se tudo correr bem no próximo fim de semana a nossa "burra" irá carregadinha com mais 1% da nossa tralha para terras Alentejanas.

 

Hoje já foi atulhada... De 8 caixas cheias de roupa minha e um par de sapatos do Luís...

 

 

E agora é aguardar mais 5 dias pelo regresso...

 

Custa tanto estar longe dele... Parece que deixo de respirar.

 

Vou-me dedicando à caça de caixas de papelão para arrumar as coisas e deitar fora lixo que não interessa.

 

Curiosa a quantidade de lixo que armazenamos em apenas 2 anos em casa. Nunca vi tanta tonelada de papel. Tanta revista. Tanta roupa. Tanto "Eu não sei o que é mas é engraçado e por isso guardei" e mais ainda "Eu não preciso disto para nada mas vou guardar porque amanhã posso precisar" como é o caso de uma resma de cartolinas às cores de tamanho A5 que guardo desde os meus 14 anos e que me acompanham desde essa época. Deve ser para fazer coisas para os meus filhos.

 

Tanto caderno por escrever. Tanto rascunho de escritos - 90% disso foi lixo - tanto canto de folha rasgado para escrever nomes de músicas que queria ouvir uma vez mais.

 

O Pablo anda encantado a ver coisas giras aparecerem do nada. Anda felicissimo de volta do saco do lixo surripiando coisas que possam ser mastigadas e feitas em pasta com baba. Já à Piggy e à Zappa este quadro é-lhes muito familiar então têm-se mantido de parte. No entanto e verdadeiramente este quadro é totalmente diferente: não é trouxa feita à pressa, teremos melhor qualidade de vida e acima de tudo estamos ao lado de quem nos ama e so isso muda tudo.

 

Vou voltar às desarrumações.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

10
Mai10

Por vezes gosto de...

por Pobre(o)Tanas

 

 

Estar assim sossegadinha... E descobrir "pérolas"...

 

 

 
Há sons que em mim fazem milagres...
Mais que não seja para ficar igual ao que estava.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

 

 

Exmos Senhores

 

Apresento os meus cumprimentos.

 

Serve o presente para, e após pensar um bocadinho porque existem coisas que não nos vale de nada pensar muito, rescindir, de imediato, o contrato de trabalho que mantenho com V. EX.ªS há pouco mais de um mês.

 

Como já se perguntaram hoje algumas vezes, não muitas porque efectivamente não me vejo como colega desejada dentro do vosso estabelecimento, onde estarei eu e porque ainda não apareci para efectuar o trabalhinho de sempre, posso dizer que estou muito bem e melhor ainda fiquei quando desliguei o despertador de manhã e decidi entre um "vai não vai", que mudou de imediato a minha disposição, todo um conjunto de valores que me foram incutidos e se valeriam a pena ser desperdiçados convosco. Mais ainda, levantei-me à hora de ir trabalhar e consegui ir à casa de banho descansada coisa que de há um mês para cá não me sabia tão bem, pois despejei via anal toda a vossa ignorância, maldade e estupidez que infelizmente suportei estas míseras semanas e se espalharam como veneno dentro de mim.

 

Como para esse tipo de veneno não existe grandes antídotos e se existem devem estar guardados com os Santos porque só estes vos conseguem aturar, resolvi fazer à minha maneira - que não é mandar os problemas para trás das costas, não senhor - mas sim cagar de alto para o que me faz mal. Se não me sinto bem em determinado lugar, mudo-me. E isto até há uns anos tinha sido somente quando ia a uma discoteca ou a um qualquer estabelecimento que fosse mal atendida. Depois passei para a fase das amizades. Amigos que fazem mal = amigos não prestam. Lógica da batata. Com a experiência profissional esta forma de ver as coisas acentuou-se pelo que, sabendo o que valho, ninguém pode dar sem ter.

 

Se sei que poderia ser uma mais valia para vós? Sei! Se V. Ex.ªs preferiram ignorar-me? Também. Pelo que um novo jogador não consegue integrar-se numa equipa se os outros não lhe passarem a bola nem tao pouco saber que tácticas de jogo mantêm se não lhas explicarem, não existe forma de andar para a frente.

 

Como percebi de imediato que a vossa equipa - unida numas coisas e maldizente noutras quando um dos vossos vira as costas - é impenetrável (e ainda bem porque para manter uma empresa há que defender e atacar) e uma vez que fui a jogadora que se sentiu lesada pela falta de informação, entreajuda e companheirismo (não é companheirismo de conviver com V. Ex.ªs ou saber das vossas vidinhas nem nada disso porque eu cá gosto muito de separar as coisinhas) e fui aquela que manteve uma certa calma até um ponto de não retorno, também sou a jogadora que sai a meio do jogo e pensa "Agora façam como entenderem".

 

Não passei o que passei em toda a minha vida profissional - poucos anos mas aquilo que interiorizei parece que foram muitos mais - e pessoal para sequer ser posta como mais um móvel de escritório e fazer coisas que nem me explicaram certamente para onde vão e como têm de ser feitas. Aprendi secamente trabalhar com uma vossa ferramenta de trabalho que me deu mais dores de cabeça que outra coisa qualquer e que a meu ver vos fazer perder tempo e dinheiro, e o que consegui explorar foi por mérito próprio. Para ao fim de um mês me dizerem que certas coisas são para fazer de determinada maneira quando fiz tudo mal para trás por não mo terem dito de início. Uma coisa mantive do que aprendi antes: a conversa da treta que esse mundo nos faz manter, de resto pouco ou nada consegui adquirir de vós que não fosse dito por meias palavras ou um "Dá cá que nós fazemos" como se eu fosse uma coitadinha que não tivesse miolos para pensar e mãozinhas para trabalhar.

 

Não pesquisei mais por opção. Sou sincera. Até porque vi que não ia a lado nenhum. Mas também porque cheguei a um ponto que tinha medo de carregar numa qualquer tecla e desse um "error" qualquer que me fizesse telefonar ao pobre coitado que faz quilometros e quilometros, encostasse o carro e enviasse a documentação toda outra vez como se ele não tivesse um dia com 24 horas como nós, quase uma duzia de peritagens, e família em casa, enquanto quem poderia fazer isso sem qualquer problema e tão perto (mesmo ao fundo do corredor) não lhe apetecia fazer ou estava ocupado a retirar as restantes ferramentas de trabalho a quem tinha perdido o processo por erro informático. Como podem reparar é tipo bola de neve ou um circulo que se fecha no ponto em que começou, ou seja em mim!

 

Noutros tempos, uma coisa que aprendi foi a chamada "verticalidade". Um processo entra comigo e sai de mim, eu sei o que se passa com ele e não existem informações fora desse processo. Tudo o que o representa de forma escrita e agora virtual está com ele. PONTO! Não existem e-mail's nas pastas de outros colegas que não facultam informação para que possa defender a camisola da minha empresa ou defender a honra das pessoas seja do perito, do administrativo, do proprietário da viatura ou da Seguradora à qual se prestam serviços.

 

Tão bem coloco as minhas armas à disposição da minha empresa e dos meus peritos (que para mim são enxovalhados dia após dia por vós quando não sabem o que passam porque vós tendes uma cadeirinha para sentar El Real Cagueiro) como tambem tenho armas para defender um proprietário que precisa de um veículo para trabalhar e dar de comer a quem tem em casa à espera dele. Como sempre devem ter vidido na cidade nunca repararam nos passarinhos de biquinho aberto, que aguardam a chegada dos pais para comer. Nem o National Geographic na Sic à hora de almoço porque estão enfiados no cabeleireiro a arranjar o cabelo, unhas e restante pintelhagem. Mas isso são outros quinhentos e vivências de uma vida que tive e tenho e que não trocaria pela melhor que um de vós possa ter dentro desse conceito de "quanto mais melhor".

 

Não cheguei a essa empresa para fazer amigos. Cheguei para integrar uma equipa que é, ao fim e ao cabo, inexistente. Não criei problemas. Aliás não faz parte da minha maneira de ser. E falando francamente tive o que pedi quando fui trabalhar convosco: não olhassem para a minha idade e tivesse um feed-back da Administração. Nunca olharam para a minha idade e feed-back não tive porque não me apeteceu procurá-lo. Assim como assim teria de passar pela "parte feminina" do feed-back que precisava ter e essa - como capitã de equipa - tambem não ajudou em nada bem pelo contrário. Depois ha toda uma panóplia de mentes dentro dessa empresa que dava para escrever um guião de um qualquer filme do Onda Curta da RTP2. Mas isso é entrar pelo lado negativo das pessoas e eu não tenho isso muito em conta até porque, e numa conversa que veio parar a mim mas que não me era dirigida, sou a "macaca" ou a "gaja" que quando acabar o que tem feito "acho bem que comece a abrir peritagens". Como cada um tem o seu tempo e sem ferramentas, informação e o tal blá-blá-blá que já mencionei anteriormente, não existem milagres... Fico-me por aqui.

 

Agora já podem ficar com o meu monitor. Escusam de retirar o daquela senhora que está de baixa com cancro como se ela já tivesse morrido que foi o que quiseram fazer...

 

Sem outro assunto de momento, reiterando os meus cumprimentos, me subscrevo

 

De V. Ex.ªs

Atentamente,

 

 

Pobre(o)Tanas

 

--------------------------------------------------------------------------------

 

 

 

Ora isto era o que queria dizer... Infelizmente fico-me por não atender o telemóvel... Mas está gravado no e-mail... Não me vá apetecer!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

 

E assim de mansinho, como se tivesse acabado um dia normal de trabalho, eu disse um "Até amanhã!" acalorado.

 

 

 

Hoje, às 9h, não bati à porta.

 

 

 

 

Acabou-se...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

04
Mai10

Já estive mais longe...

por Pobre(o)Tanas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Não de o ser mas de ter...

 

 

Pois é. O Luís conseguiu trabalho no Alentejo na área dele e mais cedo ou mais tarde pisgo-me também.

 

 

Agora é só arranjar casa, arrumar a trouxa e ala que se faz tarde!

 

 

 

 

 

Acabou-se o trânsito. Acabaram-se os barulhos de sirenes e aquele burburinho nocturno de cidade que pouco dorme.

 

 

 

Poderei deixar de fazer o buço e aparar as sobrancelhas se me aprouver! E dar um traque que só a terra e a lua serão testemunhas e não as 20mil pessoas que partilham o mesmo autocarro comigo de manhã.

 

Por falar em autocarros! Lá só ha um de manhã e outro à noite!!!!! E acho que às vezes nem há! AHAHAHAHAH SOU FELIZZZZZZZ!!!

 

 

Posso ir trabalhar para um supermercado ou mesmo numa lojinha de rua e andar de chinelos. Não vou ver mais carros estampados e aturar ranhosas de sapato de salto alto. Vou ouvir os passarinhos o dia todo. Vou poder esturrar ao sol Alentejano aos fins de semana e ao fim de um dia de trabalho. Gelar com o frio seco que por lá faz no Inverno e tremelicar debaixo de um casaco de penas todo roto sem ter problemas que olhem para mim!!! Não vou ter Centros Comerciais onde poderei estourar o dinheiro para me arrepender depois. Nem Mc Donald's (esta parte é a única coisa que me faz assim espécie mas nada mais) para aliviar os stresses porque poucos vou ter.

 

Vou ter uma vaca leiteira chamada Camélia!!!

 

Os meus bichos poderão correr à vontade e a Zappa deixará de ser virgem para se tornar uma "filha" vagabunda. O Pablo irá esticar-se debaixo das árvores e correrá tanto que se vai tornar um cão totalmente atlético e saudável. E a minha Piggy será a mesma badocha de sempre atrás das moscas e bicharocos que apanhar.

 

E além disto tudo terei tempo para o Luís e mais tarde poderei criar os filhos num sitio calmo e longe da violência citadina.

 

 

--------------------------------------------------------------------

 

Faz amanhã 23 anos que abri um olho para o mundo. Assim tipo vesga. 5 anos depois descobre-se que era apenas miopia.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D