Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Agora sou esposa, mãe, completa! Mas continuo minha... Sempre!


As pessoas pedem que as aceite, que as compreenda, que as faça felizes, que as integre na minha vida... Quando peço que aceitem aquilo que EU sou... O mundo cai!

 

Espero que percebam que na minha vida só aceito quem eu quero e quem eu quero vive na minha casa. 

 

Um dia terei filhos e acho que aí saberei que será impossivel fazer ao meu filho 1/10 do que já me fizeste. Que será impossivel deixar de lhe falar - ao meu filho - porque simplesmente ele é um ser independente de mim, que tem a sua vida e não me integra em todos os seus projectos porque tem um/a companheiro/a para o amparar, a sua própria familia que construiu como assim o deve ser. Nunca irei ficar revoltada por isso, ficarei, sim, imensamente feliz que ele assim o seja porque quererá dizer que fiz um excelente trabalho, que criei e eduquei um ser humano saudável na sua forma de pensar, agir e ser. E o meu filho virá ao meu encontro sempre que queira porque se sente bem em casa dos pais. O meu tempo já terá passado e vale o dele. A lei da vida é esta. Não poderei ser o centro das atenções. Serei até o meu filho nascer e ele será até o dele vingar neste mundo.

 

Em 7 anos que não vivo contigo nunca te pedi nada. Não vou sequer mencionar o que já me pediste. Construi a minha vida com pouco ou quase nada. Por vezes nada sabia do pouco que deveria saber. Nem ferramentas me deste. Limitei-me a desenvolver o meu instinto de sobrevivência, imitar alguns passos de pessoas que eu achava que estariam correctas e seguiriam aquela linha recta. Com isso chegar onde estou e criar eu própria as minhas regras e percorrer essa linha com os meus próprios pés. Agora também dou o exemplo a outros que virão e se sentirão confusos e sozinhos como me senti. 

 

Neste tempo que nos voltámos a aproximar - e que tu tantas vezes te queixaste que não confiava muito em ti e que deveria porque nada nos iria separar que não deixarias - dei, afinal, um pouco mais do que deveria, algo me dizia que era tempo perdido, que deveria recuar e que pouco ou nada que pudesses dizer ou fazer era verdadeiro. No fundo o meu sexto sentido nunca me enganou e dou graças pelo facto de te ter racionado qualquer sentimento que pudesse nutrir por ti. Não te dei tudo porque nunca o farei. No fundo achava que gostar de ti era estar contra mim, ser hipócrita comigo mesma, trair-me e trair quem traiste tantas vezes. Nem sei, sinceramente, se gosto assim tanto de ti e se isso se manteria sempre assim...

 

Acho que o fiz porque era meu dever enquanto filha mas não me sentia bem. Não queria saber da tua vida, do que fazias ou deixavas de fazer, do que te acontecia. As tuas histórias sempre foram aborrecidas, centradas em ti, e nem sei se tinham algum fundo de verdade. Ser tua filha foi a unica coisa que me deu força para te acudir quando precisavas, levantar a cabeça sem vergonha no fim dos teus ataques que te deixavam vulnerável perante a multidão de gente sedenta da tua miséria e abanar-te para acordares para a vida. Se fosses alcoolica ou viciada em qualquer outra coisa a minha vida seria mais fácil. Ao menos saberia com o que estava a lidar.

 

Se pudesse batia-te. Não te bato por respeito. Mas merecias. Precisavas que te arrancasse esse orgulho de merda do coiro, esse descaramento que tens de encarar as coisas como se nada tivesse acontecido. Sem mim és pouco mais que nada. Não me peças nada do que tenho porque o que tenho é de mim e não podes gastar porque não é material. Chama-se honestidade e felicidade.

 

Cansei de ser tua filha, tua mãe, tua mulher, tua de qualquer maneira... Cansei-me. Não quero dizer com isto que te deixarei de falar. Estarei aqui apenas serei apenas um espectro para ti. Poderás ver através de mim e não me poderás tocar. Serei sempre o que fui: transparente mas desta vez inatingivel...

 

O ser humano algum dia terá de aprender... E eu vou atingindo a perfeição na forma como tenho de lidar contigo.

 

Tu lá sabes... Mas aviso-te que o mundo não é teu... Nem meu... Nem de ninguém. Ao contrário de ti envolvo-me nele e sorrio de verdade porque estou liberta de especulações e consigo contornar os meus direitos de forma a que outra pessoa possa usufruir dos dela também e assim viver em harmonia.

 

 


Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D